Adoantes artificiais e suas polmicas interminveis

0
58

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.
(foto: Marcos Santos/USP Imagens)

Ainda estamos com a pandemia dominando a vida das pessoas e o Brasil j se encontra como o epicentro da doena. Porm, de forma heterognea, alguns estados e cidades esto com realidades mais dramticas.

Aqui em nossa Minas Gerais fica a apreenso e a pergunta constante de quando ser o pico, ainda assim tem algum grau de tranquilidade por termos estrutura hospitalar de CTI e respiradores que ainda no esto supersaturados ou em estado de calamidade.

Mesmo neste cenrio, a vida para muitas pessoas aos poucos vai voltando ao “normal” (ou novo normal). J temos flexibilizao do confinamento e muitas atividades econmicas j em pleno funcionamento. 

Nos consultrios, j percebemos o retorno dos pacientes que tinham se retrado e deixado de fazer suas consultas de controle de doenas crnicas.

Tenho visto que a maioria das pessoas que permaneceu ou permanece ainda em confinamento parcial tm uma queixa comum. um efeito colateral mais do que esperado nesses dias de restrio domiciliar, ou seja, o incmodo ganho de alguns quilos extras e isso tem sido a regra, segundo levantamento de um grupo de pesquisadores, que avaliou por meio de um questionrio on-line.

Nesse questionrio, respondido por 1.470 pessoas e que levou em considerao o ndice de Massa Corporal (IMC), o tempo de isolamento e a alimentao durante a quarentena, a variao de peso foi considerada quando superior a um quilo.

O estudo apontou que hbitos como prtica de atividades fsicas e consumo de lcool tiveram impacto na variao de peso da populao. Quase metade dos entrevistados (48,1%) afirmou sentir mais vontade de comer, mesmo quando no estava com fome, mas 44% afirmaram que no mudaram os hbitos alimentares.

Segundo a mesma pesquisa, 23% dos entrevistados ganharam peso e 17% relataram que emagreceram. De acordo com o levantamento, o ganho mdio de peso foi de 2,8kg, variando entre 1,1kg e 12kg, com o maior ganho ocorrendo entre participantes que estavam isolados h mais de 45 dias. 

Vrios aspectos poderiam ser considerados para abordar a questo do aumento de peso. Hoje, escolhi falar de uma dvida comum entre os pacientes: qual seria a importncia do uso de adoantes artificiais e se o seu consumo causa risco sade.

O tema sobre qual o risco da ingesto desses produtos recorrente nas publicaes cientficas h dcadas, desde o surgimento dos adoantes artificiais.

As informaes, quando chegam nas manchetes dos noticirios, levam a dvidas e preocupaes por parte dos pacientes que ficam perdidos do que fazer ao escolher produtos alimentcios que possuem essas substncias. H muita controvrsia em torno dos efeitos dos adoantes na sade humana.

Adoantes ou edulcorantes so normalmente no calricos ou com muito baixo teor de calorias e surgiram como uma opo ao uso do acar para reduo de ingesto calrica total. Alguns adoantes so produtos naturais, derivados de plantas, enquanto outros so sintticos (“artificiais”).

A premissa desse tipo de produto seria tanto de ajudar os obesos restringindo calorias extras desnecessrias e tentando contribuir para perda de peso, ou ento, para os pacientes diabticos desfrutarem de alternativas de consumo de alimentos com sabor adocicado, mas evitando o consumo de acar, o que poderia piorar o controle da sua glicose no sangue.

Nos anos 1970, estudos em animais levantaram preocupaes de que a sacarina poderia causar cncer de bexiga em roedores, e na poca o Food and Drug Administration (FDA) removeu a designao de uso seguro da sacarina em 1977. No entanto, avaliaes posteriores demonstraram que no havia relao entre o consumo de sacarina e o desenvolvimento de doenas malignas em seres humanos, e o selo de segurana do FDA foi restaurado.

Atualmente, no h evidncias de que o uso de qualquer um dos adoantes disponveis aumente o risco de cncer em humanos. Apesar dos conhecimentos terem avanado, muita confuso e desinformao esses estudos antigos ainda causam at hoje.

O Comit de Especialistas em Aditivos Alimentares da Organizao de Alimento e Agricultura (FAO) e Organizao Mundial da Sade (OMS) fornecem avaliao dos riscos e fazem recomendaes para o nvel seguro de ingesto diria aceitvel dos aditivos alimentares com base em estudos cientficos, e o nvel de segurana de ingesto diria bem alto.

Uma linha de pesquisa recente publicada na Nature Research, os autores esto preocupados com a esteatohepatite no alcolica (NASH) e avaliam o possvel impacto da substituio de bebidas aucaradas por adoantes no calricos. As bebidas aucaradas so agora bem reconhecidas por terem graves consequncias para a sade humana e seu consumo um fator de risco independente conhecido para NASH.

As estratgias de tratamento atuais para NASH tm se concentrado no gerenciamento do estilo de vida de fatores de risco modificveis, por meio de uma combinao de dieta e exerccio. No entanto, apesar dos agentes farmacuticos atualmente em estgios avanados de testes clnicos, o NASH est no caminho previsto para se tornar o principal motivo do transplante de fgado em um futuro prximo se no fizermos alguma interveno. Portanto, essencial continuar a explorar novas terapias para NASH. 

Os adoantes no calricos so aditivos alimentares que fornecem doura sem calorias e so considerados seguros e no so metabolizados pelo fgado. Assim os adoantes no calricos como aspartame, sucralose, sacarina e Rebaudiosdeo A tm aumentado em popularidade e uso. O papel potencial de novos adoantes na regulao da NASH permanece desconhecido.

No entanto, h uma evidncia limitada dos benefcios do consumo frequente de substitutos do acar com esses adoantes no calricos. Isso especialmente verdadeiro para um dos adoantes mais recentes: o Rebaudiosdeo A, que um extrato da folha de estvia que fornece sensao doce sem ter calorias. 

A literatura recente relatou que o Rebaudiosdeo A poderia desempenhar um papel no metabolismo da glicose e foi at relatado que melhoraria o ndice de glicose-insulina ps-prandial, e que seu consumo poderia resultar em perda de peso em camundongos alimentados com dieta rica em gordura. Essas observaes sugeriram um papel potencial do Rebaudiosdeo A no metabolismo da glicose em geral e na funo do fgado, e em particular na NASH.

No estudo da Nature Research, os autores declararam no ter conflito de interesse e a pesquisa contou com recursos do Instituto Nacional de Sade norte americano. O estudo teve como objetivo determinar o impacto dos adoantes mais recentes, incluindo Rebaudiosdeo A e sucralose, no NASH usando modelo de camundongo com obesidade induzida por dieta rica em gordura, substituindo frutose e sacarose pelos adoantes na gua potvel.

Foi mostrado que os adoantes no tiveram impacto no ganho de peso e no balano energtico da obesidade induzida por dieta rica em gordura. No entanto, em comparao com frutose e sacarose, o Rebaudiosdeo A melhorou significativamente as enzimas hepticas, a esteatose heptica e a fibrose heptica.

Alm disso, o Rebaudiosdeo A melhorou as expresses gnicas relacionadas ao estresse do retculo endoplasmtico, nveis de glicemia de jejum, sensibilidade insulina e massa celular restaurada das ilhotas pancreticas, inervao neuronal e composio do microbioma. O autores ento concluram que o Rebaudiosdeo A melhorou significativamente o NASH murino, embora os mecanismos subjacentes requerem investigao adicional.

Minha mensagem final vai ao encontro ao que j escrevi aqui neste espao na coluna “A difcil arte de comer de forma saudvel” em fev/2020. Se alimentar saudvel difcil de conceituar e no devemos esperar que um tipo especfico de nutriente ou adoante artificial sozinho ir prejudicar ou melhorar nossa sade. Ter alimentao saudvel  um conjunto de atitudes e hbitos que iro produzir um efeito mais consistente e duradouro. 

At o momento, no temos dados conclusivos e no podemos nem incriminar nem incentivar o consumo exagerado de adoantes artificiais, mas no est proibido e apenas mais uma ferramenta eventual para tentar cortar o excesso de calorias desnecessrias.

Na semana que vem, voltarei a este assunto e falarei de outro aspecto muito perguntado pelas pessoas: adoantes ajudam a emagrecer ou aumentam o peso?



Fonte



Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


Lima & Santana Propaganda