Bate papo com cirurgião plástico Eduardo Sucupira

0
16

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

O cirurgião plástico Eduardo Sucupira, especialista e Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, fala sobre responsabilidades e principais cuidados na hora de escolher um procedimento. Confira:

Qual a postura ideal do cirurgião plástico frente as necessidades de seu paciente?

Considero que a única postura ideal ou aceitável é aquela em que nos colocamos no lugar do paciente.

Ao nos colocarmos no lugar do paciente, conhecendo sua motivação, suas inquietudes, suas angústias, suas expectativas  e, sobretudo, conhecedores das técnicas cirúrgicas e de suas limitações estamos habilitados a conduzirmos o paciente por esse caminho.

Nem sempre a escolha técnica mais adequada do ponto de vista médico atenderá às expectativas do paciente, assim como nem sempre as expectativas do paciente encontram soluções factíveis do ponto de vista técnico. Ouvir atenciosamente o paciente é fundamental para a sua satisfação.

O que se deve ser analisado criteriosamente durante a consulta?

A consulta médica é a oportunidade para identificarmos a motivação daquela condição. Geralmente inicio a consulta após discreto rodeio com a seguinte pergunta: O que lhe traz aqui? Como posso ajudá-lo?

É o momento de “ouro” para recebermos todas as informações necessárias para um correto planejamento para auxiliar o paciente em todas as suas demandas. Naturalmente existe um roteiro para a consulta, a anamnese (do grego Ana, trazer de novo e mensais, memória). A partir dos dados colhidos na anamnese, como a queixa principal, a história que revela a queixa, o histórico de alterações passadas ou atuais, alergias, uso de medicamentos regulares, hábitos de vida entre outros. Esse conjunto de informações estabelece o estado biopsicossocial do indivíduo e condiciona a viabilidade de uma eventual cirurgia ou tratamento.

O que deve levar em conta na hora de decidir por uma cirurgia mais invasiva?

O principal aspecto relacionado a uma cirurgia mais invasiva é, geralmente, o tempo de recuperação. Normalmente cirurgias mais invasivas demandam maior tempo de recuperação porém possibilitam resultados mais expressivos

Qual a responsabilidade moral do cirurgião plástico antes e depois da cirurgia?

A responsabilidade do cirurgião plástico, enquanto médico que aplica todo o seu conhecimento e expertise técnica, é de prover todos os cuidados necessários para o seu paciente no período pré, per e pos-operatório. As intervenções possuem aspectos que dependem do cirurgião na formulação e na implementação do planejamento condizente com as expectativas e possibilidades para cada situação. Dependem também do comportamento pós-operatório do paciente e da reação cicatricial de cada individuo frente àquela intervenção.

Quais os principais cuidados na hora de escolher um procedimento e o médico para realiza-lo?

Considero que é fundamental que o paciente procure por um profissional com lastro, ou seja que seja membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e que, naturalmente, apresente as suas necessidades ou motivo de sua insatisfação para que possa ser apresentada a melhor solução. Considero que o especialista possui melhores condições de orientar a escolha do procedimento.

Qual a responsabilidade do médico diante de uma cirurgia plástica e qual a do paciente?

A responsabilidade do médico é de compreender o desejo do paciente, verificar a possibilidade de realizá-lo e orientar a conveniência de sua realização. Da paciente é de apresentar sua queixa da forma mais clara, compreender as eventuais limitações de uma intervenção, eliminar quaisquer dúvidas com o profissional escolhido, assim como cumprir fielmente as recomendações a ele impostas.

Quais os procedimentos mais procurados?

Lifting facial e de pescoço, tratamentos minimamente invasivos faciais(Harmonização facial), rinoplastia(Nariz), mastopexia ou cirurgia do “levantamento das mamas”, lipoaspiração a laser.



Fonte